25 novembro 2016

'A chegada' é um dos melhores filmes do ano

postado por Manu Negri


Vamos começar o texto com um fato talvez inquestionável atualmente: Denis Villeneuve é um homão da pirra.

Provavelmente no auge de sua carreira, o diretor canadense foi responsável por filmes ótimos como Os suspeitos e Sicario – Terra de ninguém e pelo sensacional-incrível-foderoso Incêndios (está na Netflix. Faça um favor a si mesmo e assista). E agora, com A chegada, acredito que Villeneuve definitivamente possui uma filmografia invejável. O cara só acerta.

Inspirado no conto História da sua vida, de Ted Chiang, o longa acompanha Louise Banks, uma renomada linguista que é recrutada pelo exército americano para que consiga estabelecer um diálogo com alienígenas, depois que 12 naves pousam em pontos distintos do planeta. Sendo comparado a rodo com Contato (de 1997, com Jodie Foster), A chegada ultrapassa o convencionalismo do gênero sci-fi ao nos entregar uma história densa, complexa, sensível, elegante e melancólica; uma história que aborda o encontro entre humanos e seres estrangeiros, repleta de humanidade em seus personagens e narrativa.

Por esses motivos, é um desses filmes que ficam com você depois que acaba. E acho que suspeitei disso já no primeiro minuto de projeção, literalmente, quando me emocionei pela primeira vez ao assistir a um conjunto de lembranças de Louise e sua filha, desde o nascimento até sua morte precoce pelo câncer. Sem pirotecnias, contando apenas com a trilha discreta de Jóhann Jóhannsson, porém capaz de naturalmente evocar sentimentos no espectador, as cenas são de uma veracidade incrível. E muito dessa veracidade vem da atuação tocante de Amy Adams como Louise: uma atuação "de dentro pra fora", cheia de nuances, silêncios, respirações pesadas de quem está prestes a encarar o desconhecido e olhares ora maravilhados, ora cheios de dor. Muitos deles direcionados pra um painel verde de chroma key, gente. É, acho que vem indicação a Oscar por aí.

A bela realização do trabalho de Amy também é muito bem-vinda porque é através de sua personagem que compreendemos não só cada etapa do que acontece na tela, mas o paralelo entre o trabalho dela e a vida em sociedade em si. Como Louise diz em determinado momento, "a linguagem é a base da civilização". Pra mim, A chegada é sobre linguagem; expressão; comunicação em vários sentidos. Linguagem como arma da violência e entendimento sobre o novo; como forma de compreender o mundo que nos cerca e a nossa própria existência, retratada não só através da fala, mas do gesto, das palavras escritas, de um desenho.

Em suma, A chegada soa como uma grande parábola sobre as interações humana, experiências e necessidade da comunicação como meio de interligá-las.   

E Deus sabe como gosto de uns paralelos em filmes.

Mas tem outro motivo por eu ter adorado tanto A chegada: a forma como o seu terceiro ato amarra todas as cenas que você julgou meio problemáticas e desconexas nos atos anteriores, ao mesmo tempo que traça OUTRO paralelo a da linha narrativa do filme e manipulação do seu tempo em relação à forma de se comunicar dos alienígenas. Paremos por aqui, porque spoilers seriam uma heresia.

A chegada não é expositivo como Interestelar a respeito de seus quebra-cabeças, mas consegue fazer o espectador pensar e chegar a conclusões por si só, o que é ótimo. Um dia depois de ter comparecido à sessão do filme e eu ainda estou pensando nas implicações do que assisti, juntando outras peças, pensando no seu final belo e agridoce. A TPM pode até ter influenciado no meu choro copioso durante os últimos 10 minutos da história, mas, de qualquer forma, vivenciei uma linda experiência dentro no cinema. E quando um filme consegue te proporcionar isso, é porque ele tem todos os méritos de ser chamado de sétima arte.




0 comentários:

Postar um comentário