14 julho 2016

3 séries policiais que você precisa assistir

postado por Manu Negri


Não sei em que momento me transformei nessa pessoa que fala de séries no blog e que fica semanas sem assistir a um filme. Mas essa é a verdade, amigos e vizinhos. Nos últimos tempos, fui capaz de passar fins de semana de pijama, óculos e cabelo sujo, vivendo à base de sorvete e Ruffles com molho barbecue. Tudo, ao menos, trazendo boas consequências: paixonite por novos personagens e um post-recomendação feito com carinho. <3


THE KILLING


"Quem matou Rosie Larsen?" é a pergunta que sustenta boa parte das temporadas de The Killing. Trata-se de uma obra baseada na série dinamarquesa Forbrydelsen (não assisti, mas amigos que viram as duas acham The killing superior, mesmo sendo uma espécie de remake americano) que acompanha o dia a dia da investigadora-chefe Sarah Linden e seu parceiro Stephen Holder, que, apesar de suas gritantes diferenças, unem esforços para desvendar crimes horrendos. A química entre os dois é maravilhousarrr, e acho que um complementa o outro de forma perfeita. É incrível como The Killing consegue desenvolver tão bem os personagens principais e seus dramas pessoais. Linden, por exemplo, é fria, sem um pingo de senso de humor, rígida consigo e com os outros e um tanto negligente com o filho, mas o público torce pra que as coisas deem certo pra ela de toda forma (se você não torceu, sai daquiiiii). Ao mesmo tempo, arma o terreno pro crime em questão, insere os  personagens secundários de forma brilhante, nos envolve com eles, e encaminha episódio após episódio pra desfechos que fogem totalmente do óbvio.  

The killing tem quatro temporadas no total, mas o engraçado é que a AMC cancelou a série após o fim da terceira (POR QUÊ? Não sei, não faz sentido). Aí, nossa amada, idolatrada e poderosa Netflix a pegou no colo e fez o quê? Sim, produziu a última temporada, sem deixar a desejar hora alguma, e lançou tudo na plataforma. Motivo suficiente pra gente acender umas velas em gratidão – eu, principalmente, porque a história de Linden & Holder virou uma das minhas favoritas da vida.


BROADCHURCH


Arrasada (no bom sentido) com o fim de The killing e órfã, logo recebi várias recomendações pra assistir Broadchurch. A série britânica foca numa pequena e pacata cidade da Inglaterra (chamada Broadchurch) onde acontece um crime que choca os moradores: o assassinato de um garoto de 12 anos. Para comandar a investigação, o  experiente detetive Alec Hardy (conhecido como um dos Dr. Who) é convocado de outra região para duplar com a policial do local, Ellie Miller (interpretada por uma atriz que eu não conhecia, Olivia Colman, que está SENSACIONAL).

Como a ambientação é aquela típica cidade de interior, é comum a maioria dos personagens se conhecer e interagir entre si ao longo dos episódios. Logo na primeira cena, um belo plano sequência, vemos o pai do menino morto caminhar pela rua e cumprimentar várias pessoas que o telespectador vai conhecer em breve, nos mostrando que qualquer um deles poderia ser o assassino. E Broadchurch faz isso muito bem, levantando um pouco da vida de cada um e plantando a sementinha da desconfiança na nossa cabeça. Caraca, só pode ter sido ele! Não, pera, e aquela mulher ali? Muito estranha, tá escondendo alguma coisa. Putz, nada a ver, aposto que é o padre!

Gostei muito de como trabalharam a questão da mídia distorcer informações e levar uma população a não questionar sobre determinado fato, prejudicando a vida dos envolvidos e esfregando a hipocrisia das pessoas na nossa cara (há desdobramentos sensíveis sobre isso). Visualmente a série é lindíssima (que fotografia!), o suspense é muito bem amarrado e a revelação das circunstâncias do crime surpreende, mas há quem ache que as motivações tenham sido fracas. Acredito que a segunda temporada não foi tão coesa quanto a primeira, mas ainda assim mantém o bom nível. Dizem que virá uma terceira e última temporada em breve, então, enquanto não temos confirmações, aproveita pra caçar os torrents das outras (buá, não tem na Netflix, mas você conhece o Stremio?).


THE FALL


Reconhece esse mocinho da foto? Christian Grey, galã mela-calcinha de adolescentes e molieres maduras da trilogia 50 tons de cinza, com as mesmas tendências a amarrar mulheres na cama. Mas, anotem, com uma diferença: ele as mata depois. E não, isso não é um spoiler, porque o enredo de The fall não busca fazer você tentar adivinhar o criminoso: a série já o apresenta no primeiro episódio, uma vez que seu objetivo é contar uma história de investigação sob os pontos de vista do assassino e da polícia.

Jamie Dornan é Paul Spector, um sociopata serial killer gacto que sente prazer em tirar a vida de mulheres aparentemente bem sucedidas; uma fantasia muito bem escondida sob a fachada de marido e bom pai para seus dois filhos. Enquanto ele tenta dar continuidade aos seus crimes, a investigadora londrina Stella Gibson, vivida por uma es-ton-te-an-te Gillian Anderson (a eterna Scully de Arquivo-X), é escolhida para chefiar a equipe de detetives que procura pistas de sua identidade. Com um ritmo lento, porém instigante, The fall nos insere no dia a dia dos dois personagens até seus caminhos se cruzarem, culminando numa atmosfera inevitavelmente tensa. And, não menos importante que a narrativa eficiente, é a vibe superfeminista lacradora presente nos episódios e manifestada principalmente pela Stella: ela é um ótimo exemplo de personagem feminina forte, algo que só recentemente foi ganhando mais espaço e destaque nas produções. Segura, corajosa, independente, inteligente – em suma, FODA –, Stella protagonizou cenas com diálogos empoderadores que, inclusive, já vi rolando em compartilhamentos no Facebook sem saber sua origem.

 

 
"É isso o que realmente te incomoda, né? Ficar uma noite só. 
Homem fode mulher. Sujeito: homem; verbo: foder; objeto: mulher. Isso é ok. 
Mulher fode homem. Sujeito: mulher; objeto: homem. Isso não é tão confortável pra você, não é?"


"A mídia adora dividir as mulheres entre virgens e sedutoras, anjos e putas. Não vamos encorajá-los."


 

 
"Uma mulher, esqueci quem, uma vez perguntou para um amigo homem por qual motivo os homens se sentiam ameaçados por mulheres. Ele disse que tinham medo que as mulheres rissem deles. Quando ela perguntou para um grupo de mulheres por qual motivo elas se sentiam ameaçadas por homens, elas disseram: 'nós temos medo que eles possam nos matar'."


SEGURA ESSA MARIMBA, MONAMÚ

Coisa boa pra quem tem preguiça de começar série nova de muitos episódios: The fall tem só 11 (5 na primeira e 6 na segunda temporada), e tudo já na Netflix. A terceira e última deve chegar neste ano, já que a série foi cancelada pela BBC Two, mas sem previsão por enquanto de lançamento no Brasil pela plataforma.


0 comentários:

Postar um comentário