03 julho 2016

DOIS filmes de terror decentes e UM ótimo

postado por Manu Negri


Quem ama filmes de terror sabe como é difícil hoje em dia encontrar um decente. Ótimo, então, é pra glorificar de pé. Às vezes é bom sairmos da zona de conforto da indústria hollywoodiana e procurarmos longas em outros cantos, que possivelmente vai sair coisa boa, como é o caso de dois filmes da Coreia do Sul que venho indicar hoje.


HUSH - A morte ouve


Vamos ignorar esse complemento podre "A morte ouve" do título brasileiro? Vamos. Hush é dirigido pelo jovem and promissor Mike Flanagan, que fez filmes como O espelho, O sono da morte (com o fofíssimo Jacob Tremblay, de O quarto de Jack) e já está na equipe de Ouija 2 - Origem do mal. Em Hush, conhecemos Maddie, uma escritora surda-muda que vive sozinha em uma casa no meio de um campo cheio de árvores sinistras e sem segurança alguma. Num belo dia, um doente sádico mascarado resolve aparecer por ali com um objetivo muito simples: matar Maddie. Assim, por diversão.

Já deu pra perceber que o lance aqui é a peculiaridade da protagonista, né? Ao contrário dos incontáveis filmes de terror em que temos a mocinha gostosa e burra tentando fugir de um assassino, Hush nos apresenta, graças a Deus, a uma personagem sagaz que tenta sobreviver a uma noite enquanto dribla sua condição de surda-muda. Mas, mesmo ela sendo sagaz, é bem provável que você passe o filme bancando o flanelinha de ações: ATRÁS DE VOCÊ!, NÃO VOLTA!, CUIDADO!, COOOOORRE DESGRAÇA, IIIIISSO GAROOOUTAR! Muita aflição, migues.

Hush tem nada mais, nada menos, que 100% de aprovação no Rotten Tomatoes (tudo bem que são apenas 13 críticas). E tá no catálogo da Netflix. Ou seja, marca aí na agenda pra assistir. :)



Medo


Topei com Medo depois que alguém me indicou o remake dele, disponível na Netflix, chamado O mistério das duas irmãs. Ainda não vi esse, mas decidi que a obra original deveria vir primeiro. Dirigido por Kim Jee Woon, esse filme sul coreano conta a história de duas irmãs muito unidas que voltam para casa após passar um tempo em um internato. Elas são recebidas de braços abertos pela madrasta, que logo depois se mostra uma mulher cruel. A partir daí, coisas estranhas, sobrenaturais e mutcho loucas começam a acontecer.

Medo foi, como dizem?, uma grata surpresa. Achei as atuações de todo mundo, sem exceção, ótimas. O ritmo é um pouco lento, intensificando a atmosfera de suspense e tensão, e, à medida em que a rotina da casa fica cada vez mais confusa ("QUE PORRA É ESSA?"), você entende que tem uma charada pra decifrar.



Eu vi o diabo


Eu vi o diabo também é dirigido por Kim Jee Woon e MANO DO CÉU, esse filme... olha, nem sei por onde começar. Talvez ele não seja terror, talvez não seja suspense ou talvez se enquadre apenas como uma versão coreana do estilo Tarantino de ser. Só sei que é preciso preparar o estômago pra muito, MUITO sangue e violência.

A história é: a noiva de um agente secreto é morta por um serial killer (vivido maravilhosamente por esse cara da foto que não sei falar o nome porque é em coreano e fica difícil decorar) (que também é protagonista de Old Boy). Cego pela fúria, ele começa a investigar os possíveis suspeitos do crime, até finalmente identificar o culpado. Mas, ao invés de matá-lo, resolve pôr em prática uma terrível e lenta vingança.

Terrível e lenta vingança. Ahhh, que delícia. Só que o assassino não é burrinho, e também vai fazer nosso mocinho sofrer um pouco, principalmente emocionalmente falando. A direção é um primor, a trilha e fotografia são ótimas e o final traz uma tristeza e melancolia muito coerentes com o desenvolvimento da vingança, mesmo dentro de um ritmo intenso de crueldade.  

É difícil esquecer a cena do táxi depois.



0 comentários:

Postar um comentário