04 fevereiro 2019

LIFE IS STRANGE 2, episódio 2: Rules

postado por Manu Negri


Olá, amoreco, hora de matar a saudade da nossa franquia favorita de games com o lançamento do tão aguardado episódio 2 de Life is Strange 2 no dia 24 de janeiro, depois de 4 meses desde a estreia do primeiro episódio!

Se você ainda não jogou, cuidado: spoiler alert neste texto! E se você nunca jogou nada de Life is Strange e tá aqui só porque tem apreço por mim, saiba que está perdendo uma grande oportunidade de se apaixonar. E que os espíritos evoluídos levarão isso em consideração na sua próxima vida.

Tá certo? Tá certo. Então bora falar do que anda acontecendo na jornada dos irmãos Diaz:


O TEMPO PASSA, O TEMPO VOA, E OS PODERES DO DANIEL CONTINUAM NUMA BOA (SERÁSE?)

Podemos considerar que sim, nos baseando apenas nos primeiros minutos de Rules. Sean e Daniel estão na neve, sem tomar um banho, sabe-se lá há quanto tempo sem lavar as partes com sabonete antibacteriano e sem encontrar uma tesoura.


Related Posts Widget For Blogger with ThumbnailsBlogger Templates
01 janeiro 2019

Os melhores filmes assistidos em 2018

postado por Manu Negri


Chegou o primeiro post de 2019!

Seguindo a decepção e frustração anual de nunca conseguir passar de 100 filmes assistidos em 365 dias, é hora, amiguinhos e amiguinhas, de apresentar a lista que ninguém pediu dos 15 melhores longas apreciados por moi em 2018.

Passei uns bons minutos enquanto tomava meu Toddynho pré-sono (seria o vício retornando?) encaixando minha seleção no ranking, porque não foi uma tarefa muito fácil. Então pensem que é como os filmes a seguir estivessem todos espremidos no meu Top 10 do ano e eu só tive que abrir mais espaço.



15. VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco), de Lee Unkrich, 2017 | Trailer

Fazia tempo que uma animação da parceria Disney + Pixar não me emocionava tanto, apesar de eu guardar Divertidamente com muito carinho no coração.

Ganhador do Oscar de Melhor Filme de Animação de 2018 e muitíssimo injustamente de Melhor Canção Original, ele conta a história de Miguel, um jovem aspirante a músico que embarca em uma extraordinária viagem à terra mágica de seus ancestrais. Lá, Heitor, um encantador malandro, torna-se um inesperado amigo que ajuda Miguel a descobrir os mistérios por trás das histórias e tradições de sua família.

Viva: a vida é uma festa é uma linda explosão de cores, numa construção muito charmosa do que seria o mundo dos mortos (bem mais animado e feliz que o nosso, já que ninguém precisa mais pagar boletos), com personagens cativantes, lições para levar pra vida e um desfecho que me deixou literalmente jogada no sofá, soluçando.


04 novembro 2018

A MALDIÇÃO DA RESIDÊNCIA HILL e os fantasmas que nos assombram

postado por Manu Negri


OBRIGADA, UNIVERSO, POR ESSES NOVOS FILMES E SÉRIES DE TERROR DECENTES


Obrigada, também, à Netflix, que acertou na produção de A maldição da residência Hill, nova série de terror que entrou no catálogo da plataforma em outubro e já tem feito uma galerinha se apaixonar. E, pasmem alguns, chorar – apesar da categorização já estar feita, a história é nos moldes daquele terror a la O orfanato do jeitinho que eu gosto, carregado de drama. Acho até que tem mais drama.

O diretor, Mike Flanagan, já fez seu nome no gênero terror assinando filmes como O espelho, Ouija: a origem do mal, Hush – a morte ouve, Jogo perigoso (esses últimos, na Netflix) e o ainda em pré-produção Doutor Sono, continuação de O iluminado. Embora eu tenha gostado de Hush e Jogo perigoso, com ressalvas, é nessa série que ele conquistou meu coração. Os dez episódios de A maldição da residência Hill contam a história da família Crain, que se muda para a tal residência Hill, conhecida como a casa mais mal-assombrada do país, a fim de venderem a casa depois de uma reforma por um preço bem mais alto e enfim poderem construir a "Casa Para Sempre" que a matriarca, arquiteta, projetou.


01 outubro 2018

Com personagens inéditos, LIFE IS STRANGE 2 fala de xenofobia

postado por Manu Negri

Sean e Daniel

Eu estou atrasada com pelo menos três publicações sobre os últimos games que joguei (Until Dawn, To the moon e Detroit: become human), mas quem me conhece sabe que qualquer coisa de Life is Strange tem prioridade neste recinto.

Se é a primeira vez que você está no meu blog, é mentira que eu atraso posts, tá?

Bom, cremosos e cremosas, é isso aí! A continuação do universo criado pela francesa DONTNOD e publicado pela Square Enix finalmente foi lançada, com o seu primeiro episódio, no dia 26 de setembro, para PC (Steam), PS4 e Xbox One. Depois de muito especulado após o lançamento de Captain Spirit em maio – demo GRATUITA que liga Life is Strange 1 ao 2 –, muita gente descobriu que os novos protagonistas do game são dois irmãos, e não o menino Chris. (Quer dizer, gente que não viu trailers ou não acompanhou as novidades, risos.) É difícil se despedir de Max e Chloe. Mas, enquanto elas continuam vivas nos trabalhos de fãs, na HQ que sairá em breve e, talvez, na série live action da qual ninguém mais ouviu falar desde 2016, é hora de dar as boas-vindas a Sean e Daniel


22 agosto 2018

OUTSIDER, o mais novo romance policial (será?) de Stephen King

postado por Manu Negri


Tirando uma cena razoavelmente baranga de Um amor para recordar, em que o mocinho do filme realiza o sonho da mocinha de estar em dois lugares ao mesmo tempo simplesmente se posicionando na divisa entre duas cidades, físicos continuam debatendo a possibilidade desse princípio. Em Outsider, você provavelmente vai se juntar a eles.

Concluído em maio deste ano pelo autor que mais dá as caras neste blog e na minha estante, Stephen King, o livro alcançou o primeiro lugar na lista de mais vendidos da Publishers Weekly, além de passar semanas entre os bestsellers do New York Times. No Brasil, traduzido e lançado rapidamente pouco tempo depois, ele entrou no ranking da Veja, da Folha e do PublishNews. Além de ter nascido campeão de vendas, Outsider já teve os direitos comprados para virar uma série de 10 episódios, roteirizado por Richard Price, responsável pelo sucesso The wire, da HBO. Tá bom ou quer mais, poc?

Fiz meu pedido na pré-venda, como boa escrava do King que sou, e em poucos dias recebi meu cheiroso exemplar com uma capa lindérrima, baixo relevo, título original e tudo (ótimo pra fingir no ônibus que está lendo livro em inglês). Logo nas primeiras páginas, fui conquistada pela costurinha de narrativa que o King faz, se assemelhando um pouco com o que acontece em Carrie, a estranha, que é intercalar acontecimentos do presente com transição de depoimentos à polícia de Flint City, a cidade fictícia da trama. Aos poucos, descobrimos que lá aconteceu o assassinato horrendo de uma criança, morta a dentadas e estuprada com um galho de árvore, cujo principal suspeito é o cidadão exemplar Terry Maitland, professor da liga infantil de baseball local (inclusive, da vítima). As digitais incontestavelmente compatíveis com Terry encontradas no local e a natureza abominável do crime levaram os policiais a prenderem o professor diante de mais de mil pessoas, incluindo a esposa e as filhas, gerando uma comoção na população. No entanto, tão irrefutável quanto as provas físicas de sua culpabilidade, um álibi se revela na história: no dia e horário do crime, Terry Maitland estava em outra cidade, junto de outras pessoas, em uma conferência literária.