14 setembro 2019

IT, CAPÍTULO 2: livro vs. filme e por que achei este último meio cu

postado por Manu Negri


O QUE NINGUÉM QUER SABER


Salve, salve!

(eu nunca falo isso na vida real)

Fiquei sem saber como começar um novo post depois de quase 6 meses sem escrever nada. Outras prioridades envolvendo meu trabalho como ilustradora e artesã (olha meu Instagram na coluna da direita) tomaram meu tempo e infelizmente joguei o blog pra escanteio. Mas sempre com o coração apertado, esperando por um momento “propício” pra voltar a palpitar e, talvez, manter alguma frequência de publicação.

Muitas oportunidades passaram. Talvez virem post em breve, mas, quando IT – capítulo 2 estreou, eu sabia que era hora de tirar algumas horinhas sei lá de onde pra atualizar esse cafofo. Afinal, eu já havia escrito que A Coisa é meu livro favorito de todos os tempos e que a primeira sequência do filme era uma adaptação decente. Faltava este texto pra fechar o ciclo.


IT, CAPÍTULO 2 SEM SPOILERS!


Lançado em 2017, o primeiro filme é considerado o filme de terror mais bem sucedido da história. Eu particularmente fiquei surpresa com o feito, porque acho que vivi mais na bolha do hype de quem leu o livro e menos no hype do blockbuster de horror.

Neste intervalo de 2 anos, foi natural que a empolgação tenha baixado um pouco mesmo com a divulgação do elenco adulto. Já perto da estreia, o comichão voltou a se intensificar com as primeiras críticas – todas positivas e um percentual alto de aprovação no Rotten Tomatoes. O primeiro baldinho de água fria veio às vésperas da estreia, quando, de repente, várias pessoas saíram da caverna justamente pra tacar tomate no filme.

Infelizmente, me juntei a elas horas depois.


Related Posts Widget For Blogger with ThumbnailsBlogger Templates
28 março 2019

Explicando "NÓS": o que tem por trás do filme

postado por Manu Negri



A carreira de Jordan Peele era conhecida por trabalhos voltados pra comédia até o lançamento do seu longa de terror Corra!, em 2017, que abalou as estruturas do mundo cinéfilo com uma história original com pegada no racismo estrutural e um suspense bem construído. O sujeito, no ano seguinte, estava dando as caras em Hollywood apresentando um projeto meio que oposto ao que constava em seu currículo, concorrendo ao Oscar como Melhor Diretor e tendo Corra! candidato a Melhor Filme e Melhor Roteiro Original. Levou o homenzinho nu dourado por este último.   


Apesar dos 98% de aprovação no Rotten Tomatoes e do hype na ocasião do lançamento, minhas expectativas não foram atingidas (você pode conferir meu texto a respeito no link do parágrafo anterior). É um bom filme, merece todos os méritos e tal, mas nhé. Agora, eu remo contra a maré novamente (não que eu goste) com o novo de terror do Peele, Nós: fui fisgada pelo trailer intrigante e o considero um filme muito melhor do que Corra! – ao contrário de grande parte dos seus fãs. 


A história segue Adelaide, que, quando criança, sofreu um trauma enquanto comemorava o aniversário em um parque de diversões. Adulta e com família formada por marido e dois filhos, ela e a trupe viajam de férias para a mesma região que marcou negativamente sua infância. Mas antes fossem as más lembranças a estragarem o passeio; na noite primeira noite juntos, eles são aterrorizados por estranhas figuras que aparecem em frente à casa, revelando serem seus doppelgänger.

Doppelgänger, segundo as lendas germânicas de onde provém, é um ser fantástico que tem o dom de representar uma cópia idêntica de alguém. Hipoteticamente, pode ser que cada pessoa tenha o seu próprio doppelgänger (também conhecido como "duplo-eu").


04 fevereiro 2019

LIFE IS STRANGE 2, episódio 2: Rules

postado por Manu Negri


Olá, amoreco, hora de matar a saudade da nossa franquia favorita de games com o lançamento do tão aguardado episódio 2 de Life is Strange 2 no dia 24 de janeiro, depois de 4 meses desde a estreia do primeiro episódio!

Se você ainda não jogou, cuidado: spoiler alert neste texto! E se você nunca jogou nada de Life is Strange e tá aqui só porque tem apreço por mim, saiba que está perdendo uma grande oportunidade de se apaixonar. E que os espíritos evoluídos levarão isso em consideração na sua próxima vida.

Tá certo? Tá certo. Então bora falar do que anda acontecendo na jornada dos irmãos Diaz:


O TEMPO PASSA, O TEMPO VOA, E OS PODERES DO DANIEL CONTINUAM NUMA BOA (SERÁSE?)

Podemos considerar que sim, nos baseando apenas nos primeiros minutos de Rules. Sean e Daniel estão na neve, sem tomar um banho, sabe-se lá há quanto tempo sem lavar as partes com sabonete antibacteriano e sem encontrar uma tesoura.


01 janeiro 2019

Os melhores filmes assistidos em 2018

postado por Manu Negri


Chegou o primeiro post de 2019!

Seguindo a decepção e frustração anual de nunca conseguir passar de 100 filmes assistidos em 365 dias, é hora, amiguinhos e amiguinhas, de apresentar a lista que ninguém pediu dos 15 melhores longas apreciados por moi em 2018.

Passei uns bons minutos enquanto tomava meu Toddynho pré-sono (seria o vício retornando?) encaixando minha seleção no ranking, porque não foi uma tarefa muito fácil. Então pensem que é como os filmes a seguir estivessem todos espremidos no meu Top 10 do ano e eu só tive que abrir mais espaço.



15. VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco), de Lee Unkrich, 2017 | Trailer

Fazia tempo que uma animação da parceria Disney + Pixar não me emocionava tanto, apesar de eu guardar Divertidamente com muito carinho no coração.

Ganhador do Oscar de Melhor Filme de Animação de 2018 e muitíssimo injustamente de Melhor Canção Original, ele conta a história de Miguel, um jovem aspirante a músico que embarca em uma extraordinária viagem à terra mágica de seus ancestrais. Lá, Heitor, um encantador malandro, torna-se um inesperado amigo que ajuda Miguel a descobrir os mistérios por trás das histórias e tradições de sua família.

Viva: a vida é uma festa é uma linda explosão de cores, numa construção muito charmosa do que seria o mundo dos mortos (bem mais animado e feliz que o nosso, já que ninguém precisa mais pagar boletos), com personagens cativantes, lições para levar pra vida e um desfecho que me deixou literalmente jogada no sofá, soluçando.


04 novembro 2018

A MALDIÇÃO DA RESIDÊNCIA HILL e os fantasmas que nos assombram

postado por Manu Negri


OBRIGADA, UNIVERSO, POR ESSES NOVOS FILMES E SÉRIES DE TERROR DECENTES


Obrigada, também, à Netflix, que acertou na produção de A maldição da residência Hill, nova série de terror que entrou no catálogo da plataforma em outubro e já tem feito uma galerinha se apaixonar. E, pasmem alguns, chorar – apesar da categorização já estar feita, a história é nos moldes daquele terror a la O orfanato do jeitinho que eu gosto, carregado de drama. Acho até que tem mais drama.

O diretor, Mike Flanagan, já fez seu nome no gênero terror assinando filmes como O espelho, Ouija: a origem do mal, Hush – a morte ouve, Jogo perigoso (esses últimos, na Netflix) e o ainda em pré-produção Doutor Sono, continuação de O iluminado. Embora eu tenha gostado de Hush e Jogo perigoso, com ressalvas, é nessa série que ele conquistou meu coração. Os dez episódios de A maldição da residência Hill contam a história da família Crain, que se muda para a tal residência Hill, conhecida como a casa mais mal-assombrada do país, a fim de venderem a casa depois de uma reforma por um preço bem mais alto e enfim poderem construir a "Casa Para Sempre" que a matriarca, arquiteta, projetou.