23 março 2017

A Fera, a nostalgia e a melhor princesa da Disney

postado por Manu Negri


Finalmente assisti à A Bela e a Fera. Foi um longo trajeto de uma semana frustrada entre sessões lotadas e/ou caras, até que cedi, em nome da minha sanidade emocional, a pagar por um ingresso um valor que apenas concordo quando se trata de pratos de comida elaborados.

Eu entrei na sala sabendo que nada poderia ser superior à animação dos anos 1990, que é, junto de O Rei Leão, minha animação favorita da Disney. Sabia, também, que essa live action era 95% igual à história da obra original. Muita gente criticou a ausência de originalidade, a "necessidade" de produzir o filme diante desse cenário, e eu só consigo pensar: tá tudo bem, gente. A proposta, creio eu, sempre foi recriar A Bela e a Fera de sempre, só que com seres humaninhos. Por isso, decepção passou longe de mim.

Como obra, achei o longa bonzinho. Mas, se considerarmos o grande e principal fator nostalgia, me acertou em cheio, bem na cara. E era isso o que eu estava procurando. Quando o castelinho da Disney e a rosa apareceram na tela, agarrei os braços da poltrona do cinema. Quando os habitantes da vila começaram com seus Bonjour, a boquinha tremeu. FEELINGS, minha gente, FEELINGS. Não sei nem explicar como A Bela e a Fera é capaz de me tocar de diversas maneiras, mas a principal delas diz respeito à mensagem de amar e aceitar alguém pelo que ela é, muito além do que as aparências mostram (inclusive falei disso no meu texto sobre o livro Extraordinário). E a Bela, em particular, me conquistou desde a primeira vez em que assisti à animação: gentil, altruísta, corajosa e muito à frente do seu tempo, era o tipo de personagem feminina que fugia dos estereótipos dos contos de fada da época e, por isso tudo, continua sendo a minha princesa favorita. Chupa, Frôze.


Related Posts Widget For Blogger with ThumbnailsBlogger Templates
01 março 2017

"Fúria": o livro proibido de Stephen King

postado por Manu Negri

Agora uso um Kindle. Precisarei de fotos mais criativas :P

Spoiler: o livro com menor nota deste blog é do meu autor favorito.

O ano era 1966. Stephen King, aos 19 aninhos, escrevia seu primeiro romance. Eu, aos 19, no máximo escrevia listas de compras e uns resumos de estudos na faculdade. Ou seja, apesar de ter detestado Fúria, devo reconhecer que o talento do cara já começaaava a se mostrar.

Lançado comente em 1977 sob o pseudônimo de Richard Bachman, Fúria atualmente só pode ser lido no Brasil pela antologia Os livros de Bachman. Isso se você conseguir, porque o bagulho é tão raro que, no Estante Virtual, por exemplo, é vendido por quase MIL DINHEIROS:


Mas como você conseguiu, então, menina Manuela?

Tenho meus meios, eu diria.


21 fevereiro 2017

Oscar 2017: tretas, atuações e filmes favoritos

postado por Manu Negri


Bem, migos e migas, faltam poucos dias pra cerimônia do Oscar 2017 e eu tinha prometido o que há uns dois meses? Assistir a todos os indicados de todas as categorias. Se eu consegui? Claro que não. Mas admiro esse meu otimismo, que nunca morre, de fazer as mesmas promessas a cada ano (exceto começar academia; dessa vez deixei pra lá).

Pelo menos deu pra fechar todos os concorrentes das categorias principais. E, dessa vez, achei os indicados a Melhor Filme, num geral, num nível mais alto se compararmos com a categoria de 2016. Talvez eu estivesse com uma birra filha da mãe pela esnobada que deram em Carol. É provável. Mas estava difícil me encantar. Anyway, é a primeira vez em eras que vou conseguir assistir ao Oscar inteiro sem ficar preocupada em acordar cedo no dia seguinte por motivos de trabalho, YAY! Obrigada, Carnaval. Eu sabia que você ia servir pra alguma coisa um dia.

Lembram da polêmica do Oscar So White que rondou a cerimônia do ano passado? Outra coisa boa da edição de 2017 é que temos vários atores negros concorrendo aos prêmios, além de filmes com protagonismo negro (e que não contam histórias sobre escravos ou empregadas domésticas quase escravas), como Moonlight, Um limite entre nós e Estrelas além do tempo. Isso é essencial pra representatividade de qualquer minoria social. E, como Viola Davis disse na entrega de seu Emmy em 2015, como vão premiar negros por papéis que não deram a eles? Bom, ainda bem que as coisas evoluíram um pouco nesse meio tempo. Que continue nesse ritmo.

Abaixo, em ordem de preferência, os filmes da categoria principal do Oscar, do que gostei e do que não gostei e quem acho que vai ganhar (como se fosse difícil prever). :D


21 janeiro 2017

A força de Moonlight está em suas sutilezas

postado por Manu Negri


Quem me acompanha no Twitter e leu o texto sobre La la land sabe o quanto eu estava esperando pra assistir Moonlight. Ele é um desses filmes que crescem na nossa memória com o passar do tempo, e eu precisei de um tempo pra poder digerir e entender as suas nuances antes de vir aqui. 

Considerado por boa parte da crítica mundial como o melhor filme de 2016, tem 98% de aprovação no Rotten Tomatoes, 99 no Metacritic, atuações aclamadas, conquistou o Globo de Ouro de Melhor Drama deste ano e consta como um dos favoritos ao Oscar. Moonlight é uma jornada bastante intimista de seu protagonista, Chiron, dividida em três fases de sua vida infância, adolescência e idade adulta , em que ele luta para construir sua identidade e sexualidade em uma sociedade extremamente machista e violenta


13 janeiro 2017

La la land é uma preciosidade

postado por Manu Negri


Ontem foi a pré-estreia de La la land, um dos favoritos para entrar na corrida do Oscar. O que posso dizer? É um desses filmes que dá vontade de guardar num potinho, de tão adorável.

Mas, antes, uma confissão: paguei língua.


Sou especialista em tecer comentários requintados no Twitter. Esse foi publicado durante a exibição do Globo de Ouro, quando via La la land abocanhar todos os prêmios que torci para Moonlight levar. E, detalhe: eu não tinha assistido a nenhum dos dois ainda; Moonlight só estreia em fevereiro no Brasil, mas como a gente precisa se agarrar a alguma produção pra deixar a premiação mais emocionante, fui conquistada pelo trailer e pelos fucking 98% de aprovação no Rotten Tomatoes.

Não que o Globo de Ouro tenha algum valor a não ser o buzz, mas é a primeira vez que um filme ganha 7 estatuetas – incluindo Melhor Filme de Comédia ou Musical. Sim, La la land é um musical, e, apesar de constar 3 musicais na minha lista de filmes favoritos da vida (Moulin Rouge, Chicago e Dançando no escuro), tenho uma pequena resistência a eles. Se você também tem, tente quebrá-la. Não prive-se de passar a sessão inteira assim: