07 novembro 2015

18 coisas que passam pela cabeça de quem tem medo de avião

postado por Manu Negri

Esquete do Porta dos Fundos
É provável que várias delas não passem nem raspando pela cabeça de algumas pessoas? Claro. Mas que passam ou já passaram pela minha várias vezes, ah, passaram. Eu não tenho apenas medo de avião - tenho pavor, horror, pânico, me cago toda. Já expliquei aqui, e nem adianta vir com o velho jargão de que avião é o meio de transporte mais seguro do mundo. Além do meu cérebro não processar isso com facilidade, ele é mestre em criar mil teorias completamente irracionais.

É botar os pés no aeroporto e todo meu corpo fica alerta a qualquer sinal remoto de tragédia iminente:

1. Atraso do voo: oh, não. Algo aconteceu, certamente. Por que está atrasado? Alguma peça danificada? Descobriram alguma pane e precisam verificar antes da próxima decolagem? E se não conseguirem consertar? E se

2. Mecânicos mexendo na aeronave: tô vendo ali pela janela. Ah lá. Claro que isso não é rotina, imagina. Deu merda no avião e tão tentando reverter. E se ligarem o fio vermelho no fio amarelo por engano?


3. Meu Deus, saporra é de hélice: como que isso levanta voo? Como se sustenta no ar? E se uma pá quebrar? E SE

4. Temos crianças: ufa, há crianças entre os passageiros. De colo, que falam gugu-dadá. Tão bonitinhas, babando, dançando no colo da mamãe. Um avião com crianças não cai.

5. O avião parece muito novo: muito branco, né? Notei. Nada gasto. Moderno. Quantas horas de voo ele tem cadastrado? ELE JÁ VOOU ANTES?

6. Assento próximo à asa: importante ter acesso a uma visão privilegiada da asa e da turbina. Caso ela pegue fogo ou perca alguma parte, seremos os primeiros a desmaiar e perder todo o show de horrores sequencial.

7. Gente mexendo no celular: querido, você não ouviu o recado da aeromoça sobre aparelhos estarem desligados mesmo em modo avião durante a decolagem? Ei, psiu. Desliga isso, tá na hora. Vai derrubar o avião. Vai derrubar e eu vou me ver contigo no céu, filho da puta.


8. Vixe, o tempo tá feio, né: já não bastava neblina, agora tem chuva. Ferrou tudo. Não vai ter teto. O painel do avião vai dar biziu. Ninguém vai enxergar nada. Vamos parar no Triângulo das Bermudas e sumir pra sempre.

9. Procedimentos de emergência: todo santo voo é a mesma apresentação dos procedimentos, afivelar os cintos, cair máscara de oxigênio, ajudar as crianças e idosos, procurar uma saída, usar a poltrona pra flutuar. Nem preciso ler mais a cartela. Mas.. ai. Melhor reler, né? E se eu preciso? E SE

10. O aparelho do som deu interferência: comissária de bordo foi interrompida por uma chiada no aparelho enquanto dava as instruções aos passageiros. COMEÇAMOS MAL. Se uma porcariazinha dessa não funciona direito, imagina o painel dos pilotos!

11. A voz do piloto: "Obrigado por escolherem essa companhia aérea, eu sou o comandante Pereira e a decolagem foi autorizada". Notei um certo nervosismo na voz desse senhor. Seria mau humor? Cansaço? INEXPERIÊNCIA? Vontade de realizar um suicídio coletivo? Eu acho que o comandante Pereira precisa se acalmar antes da decolagem.


12. A decolagem: segurem esses cus e as mãos firmes nos braços da poltrona que essa nhaca tá saindo do chão. 80% dos acidentes aéreos ocorrem na decolagem ou no pouso, não podemos esquecer. Reza, reza pra todos os santos e conta mentalmente 30 segundos. Se conseguir chegar lá, está a salvo (por enquanto)!

13. O semblante dos tripulantes: simpática a aeromoça. Mas aquelas outras duas estão muito sérias. Foi aquela sacodida que o avião deu? Será que elas estão preocupadas? Elas sabem de alguma coisa, lógico. Mas precisam manter a calma pra evitar o caos entre os passageiros. Já estou suando.

14. O sinal de desafivelar os cintos: depois da decolagem angustiante, FINALMENTE toca a campainha que significa "Deu tudo certo galera, liberado ouvir música, jogar Candy Crush e usar o banheiro". Um dos poucos momentos de alegria do voo (o outro é quando o avião pousa).

15. Preciso mesmo ir ao banheiro: mentira, mas é bom passar uns 5 minutinhos trancado naquela cabine. Dá uma falsa sensação de proteção que nosso cérebro interpreta como verdadeira, sabe? Não tô vendo nada, sentindo nada, apenas curtindo o silêncio dali. Se o avião estiver caindo nem vou saber.

16. Cortininha fechada: por que a tripulação fechou aquela cortina atrás de si? Estão cochichando. O avião está em perigo? Bem provável. Combinando um jeito de contar pra gente. Ou dizendo que é cedo demais pra achar qualquer coisa. Ou estão chorando.

17. Turbulência: clássico, não é mesmo? Tem a básica, parecida com aquela sensação quando o carro passa por ondulações no asfalto, e a perigosamente mortal, como um carro trepidando por uma estrada de terra repleta de crateras que te levam a buracos negros. Nesse estágio é normal gritar.

18. O pouso: tá chegando no fim, o piloto já anunciou a descida, e nossos olhos arregalados não deixam escapar nenhum detalhe desse processo. O avião não está indo rápido demais? E se precisar arremeter? Opa, desacelerou. E agora parece muito devagar. Pode perder altitude, não? Nossa, muito perto dos prédios. Meu Deus, comandante, acerta aí esse negócio, acho que tá torto! As rodas vão tocar o chão, vão tocar, vão tocar, VAAAAAA


0 comentários:

Postar um comentário